topo br

LUDENS

6º Festival de Cinema de Futebol: “O CINEfoot segue na sua luta por um futebol melhor além das quatro linhas”. (Por Aline Pizzol e Caio Lotufo)

 

Imagem 1

1. Cartaz do CINEfoot 2015

 

De 26 de novembro a primeiro de dezembro de 2015, a cidade de São Paulo recebeu a VI edição do CINEfoot, o único festival especializado na cinematografia do futebol no Brasil e na América Latina. A intenção do festival é premiar anualmente os melhores trabalhos audiovisuais através da escolha popular – uma plateia recheada de cinéfilos apaixonados por futebol e futebolistas apaixonados por cinema.


“O CINEfoot leva às telas em 2015 inúmeros filmes que retratam exatamente o ardor e o afeto por esse esporte. São testemunhos de uma paixão avassaladora, fervorosa e inspiradora. Lições de vida que reforçam o futebol como um pujante elemento social no Brasil e no mundo” (Institucional, www.cinefoot.org).


As exibições de filmes nacionais e internacionais trazem desde ficções que caricaturam a paixão clubística até histórias de infância das nossas primeiras brincadeiras com a bola, além dos já tradicionais documentários reavivando ou revelando histórias de torcedores, torcidas, boleiros, clubes, enfim de todo o universo multifacetado que pertence ao futebol.

Organizado em forma de circuito, o festival percorreu diversas capitais brasileiras ao longo do ano: Rio de Janeiro/RJ (21 a 26 de maio), Vitória/ES (28 a 29 de novembro), São Paulo/SP (26 a 1º. De dezembro) e Belo Horizonte/MG (3 a 5 de dezembro).

Em São Paulo os filmes foram exibidos em dois espaços: o Museu do Futebol, já reduto conhecido dos boleiros e que também apoia a realização do festival, e o Espaço Itaú Unibanco de Cinema, localizado na rua Augusta.

Nesta edição, o CINEFoot concedeu duas homenagens. A “Honraria Futebol Arte 2015” foi entregue a cineasta Lina Chamie, fanática torcedora do Santos e que dirigiu, entre outros os documentários “Santos - 100 Anos de Futebol Arte”(2012), “São Silvestre”, além de exibir no festival o curta “Futebol é Pai”, que conta a história da ida de um garoto santista de 8 anos que vai pela primeira vez ao estádio. Já o ex-jogador Afonsinho recebeu a Honraria Gol de Placa, pela sua história de luta política dentro do futebol brasileiro, trazida para as telas na série “Football Rebels”, que estreou durante o festival sua segunda temporada.

 

Lançamentos

Além das exibições de longas e curtas de todas as partes do Brasil e do mundo , o CINEFoot realizou duas sessões especiais para lançamentos.

 

Imagem 2

2. Cartaz de divulgação da série O Som das Torcidas

 

A primeira sessão especial trouxe a pré-estréia da primeira temporada da série Som das Torcidas, um trabalho da equipe da produtora e transmissora de podscasts Central3. A ideia foi trazer para as telas o conteúdo do programa de mesmo nome, idealizado por Xico Malta e Matias Pinto, e apresentado nas em parceria com Leandro Iamin. A série procura desvendar a história por trás dos cânticos entoados pelas torcidas de clubes da Europa e América do Sul, trazendo depoimentos e imagens que revelam suas origens, adaptações e referências, demarcando aspectos que constroem cada identidade torcedora. 

 

Imagem 3

3. Equipe que produziu O Som das Torcidas

 

Dirigida por Pedro Asbeg (mesmo diretor de Geraldinos, vencedor pelo voto popular desta edição do Cinefoot), a primeira temporada teve como recorte as torcidas de clubes da capital paulista: Corinthians, Juventus, Palmeiras, Portuguesa e São Paulo. Nas palavras de Matias, responsável pela pesquisa, “não é um programa só sobre hoje, não é um programa só sobre ontem. A gente quer fazer essa ponte entre o passado e o presente das torcidas de São Paulo para mapear um pouco as influências de cada arquibancada aqui na capital”.

A sessão foi finalizada com um debate com a equipe da produção e com integrantes das torcidas retratadas na série sobre os caminhos para o futuro diante de novas realidades como grandes arenas e programas de sócio-torcedor, que mudaram sensivelmente o perfil dos frequentadores de estádios brasileiros. Apesar do clima de nostalgia, o desfecho foi perfeito: uma pelada no final da tarde em frente ao estádio do Pacaembu, com direito a golzinho feito com mochilas e participação da meninada que brincava em volta.

A segunda sessão especial ocorreu no dia 30 de novembro no Espaço Itaú de Cinema para estrear a segunda temporada da série “Les Rebelles du Foot”, dirigida pelo francês Gilles Peres Rof. Apresentada pelo ex-jogador francês Eric Cantona em episódios de cerca de 20 minutos, a série relembra a trajetória de grandes ídolos do futebol conhecidos pela sua atuação política e social, desde Dr. Sócrates e o chileno Caszely, até o costa-marfinense Didier Drogba, cujo papel foi fundamental na dissolução de uma guerra civil que assolava seu país. 

 

Imagem 4

4. O ex-jogador Afonsinho ao lado de Antônio Leal, idealizador do CINEfoot

 

Nesta segunda temporada, o primeiro episódio traz história de Afonsinho,  jogador que em plena Ditadura Militar contestou o regime de contrato entre clubes de futebol e jogadores, tornando-se o primeiro atleta desta modalidade a ter passe livre no Brasil. Amigo de artistas e intelectuais da época, contestava treinadores e dirigentes utilizando barbas e cabelos longos, além de se formar em medicina, contrariando o estereótipo do jogador de futebol “alienado”. O documentário ainda mostra a vida de Afonsinho nos dias de hoje, dividindo entre seu trabalho como médico no posto de saúde da Ilha de Paquetá (RJ) e a atuação como técnico, professor e conselheiro de meninos e meninas da região que dão seus primeiros passos no futebol. Presente na sessão especial para assistir pela primeira vez ao filme, Afonsinho respondeu a perguntas dos espectadores antes do início da sessão e recebeu, com toda justiça, sua homenagem e uma calorosa salva de palmas.

 

 

faceyoutubeyoutube

Copyright © 2014 - LUDENS - Núcleo interdisciplinar de pequisas sobre futebol e modalidades lúdicas. FFLCH/USP.